Fifa e AIPS prestam homenagem a jornalistas com mais Copas do Mundo no currículo

Por Rodney Brocanelli

Hoje foi um dia diferente para boa parte dos jornalistas que estão cobrindo a Copa do Mundo no Catar. Dentro de um evento chamado Jornalistas no Pódio, eles receberam uma homenagem da Fifa em parceria com a AIPS (International Sports Press Association), uma entidade internacional de cronistas esportivos. Uma pequena réplica da Taça Fifa foi entregue pelo craque Ronaldo (o Fenômeno) a 82 jornalistas do mundo todo que atingiram a um número superior de 8 coberturas da competição como credenciados. 11 profissionais brasileiros estão nesta lista. A cerimônia aconteceu no Virtual Staduim 1, em Doha.

Entre os brasucas homenageados, muitos nomes do rádio: Pedro Ernesto, da Rádio Gaúcha, com 12 participações, Osires Nadal (“o Parana te abraça”), da Rádio Lagoa Dourada, com 11, Éder Luiz, da Transamérica, com 10, Eraldo Leite, das rádios Globo/CBN, também com 10, Wellington Campos, da Rádio Itatiaia, com 9, Ricardo Capriotti, da Rádio Bandeirantes, com 8.

Galvão Bueno, que dispensa apresentações, tem 12 copas em seu currículo, Juca Kfouri, credenciado pelo UOL, tem 11 participações, Jorge Rodrigues, da Conmebol, tem 9, João Estevam Ramalho Neto e o narrador Luis Roberto, ambos da TV Globo, tem 9.

Sobre Juca Kfouri, curioso notar que em 1998 ele teve sua credencial negada pela Fifa, ainda na gestão de João Havelange, em um primeiro momento, mas que depois foi revertida após a péssima repercussão gerada pela medida.

A listagem completa pode ser vista aqui.

Dez anos sem Joelmir Beting

Por Rodney Brocanelli

Há dez anos, o jornalismo perdia um de seus expoentes. Joelmir Beting, homem de jornal, rádio e televisão, que com sua linguagem simples procurou descomplicar os meandros da economia. Seu início de carreira foi no jornalismo esportivo, trabalhando nos jornais Diário Popular e O Esporte. Quando percebeu que não iria conciliar a paixão pelo Palmeiras com a sua área de atuação, decidiu muda de área, em 1962.

Após ter passado pela Jovem Pan e rádio e tv Gazeta, Joelmir trabalhou muitos anos na Rádio Bandeirantes, como comentarista e depois integrante do Jornal Gente (ou Jornal da Bandeirantes Gente, como José Paulo de Andrade gostava de dizer). Nesse período, ele foi fazer o antigo Jornal Bandeirantes, na TV Bandeirantes.

Em 1985, ele se transferiu para a TV Globo e se destacou como comentarista do Jornal Nacional. Paralelamente às suas aparições nos meios eletrônicos, o jornalista manteve colunas nos jornais Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e O Globo. Retornou ao Grupo Bandeirantes em 2004. No rádio, voltou a fazer parte da bancada do Gente e em televisão, coapresentou o Jornal da Band e comandou o Canal Livre.

O anúncio de sua morte proporcionou um dos momentos mais tocantes da história do rádio. Ele foi feito ao vivo por um de seus filhos, Mauro Beting, que estava no ar pela Rádio Bandeirantes, trabalhando como comentarista da transmissão de São Paulo 0 x 0 Universidad Católica, partida que começara no dia anterior 28 de novembro de 2012 e era válida pela Copa Sul-americana.

Corria o Terceiro Tempo da madrugada do dia 28. O programa seguia seu ritmo normal. Houve espaço até para uma série de alfinetadas entre o apresentador Milton Neves e o então goleiro do São Paulo, Rogério Ceni (ouça aqui). Pouco depois, chegou a triste notícia. Mauro foi encarregado de informá-la aos ouvintes e à grande legião de fãs de Joelmir. Ouça abaixo.

Mais algumas anotações sobre a cobertura da Copa pelo rádio brasileiro

Por Rodney Brocanelli

Novidade na lista de rádios autorizadas a transmitir esta Copa do Mundo, a Energia 97 está revezando seus narradores nos jogos do Brasil. Luis Claudio de Paula (ex-Bradesco Esportes) narrou Brasil x Suíça. Domenico Gatto irradiou a estreia da seleção brasileira.

*

E por falar em revezamento, José Carlos Araújo, o Garotinho, narrou Brasil x Suíça na Super Rádio Tupi.

*

Mais uma de revezamento: na Itatiaia, Ênio Lima fez Brasil x Suiça. Por sua vez, Mario Henrique, o Caixa, esteve presente na estreia brasileira.

*

Orgulho da Região Nordeste, a Rádio Jornal, de Recife, contou com a narração de Aroldo Costa para este segundo compromisso do escrete canarinho.

*

Já recuperado de um problema na voz, Nilson Cesar transmitiu o segundo jogo do Brasil pela Jovem Pan.

*

José Luiz Datena foi um dos comentaristas de Brasil x Suiça na Rádio Bandeirantes. Se a seleção brasileira vive a Neymardependência, o Grupo Bandeirantes tem a sua Datenodependência.

*

Foi só elogiar. No post anterior, o Radioamantes destacou que a Rádio Gaúcha havia transmitido todos os jogos desta Copa, incluindo aqueles que se iniciam às 07 da manhã (aliás, sobre esses jogos falarei mais adiante). Na última sexta, a emissora deixou de lado Gales x Irã e no dia seguinte, um sábado ignorou Tunísia x Austrália.

*

CBN/Globo (RJ) e CBN (SP) transmitem os jogos da Copa com equipes regionalizadas. Uma exceção se deu neste último final de semana quando houve a formação de rede Hugo Lago transmitiu Canadá x Croácia. Por sua vez, Vinicius Moura foi o responsável pelas emoções de Bélgica x Marrocos.

*

Por falar em CBN, três registros positivos 1) Edson Mauro pela primeira vez em sua carreira como titular dos jogos do Brasil, no Rio de Janeiro, 2) a sobriedade de Oscar Ulisses e 3) a presença de Eraldo Leite no Catar.

*

Aliás, um grande abraço ao Eraldo Leite.

*

As emissoras de rádio estão agradecendo pelo fim dos jogos iniciados às 07 de manhã. Como já registramos (clique aqui para ver), muitas emissoras abriram mão da transmissão dessas partidas. Está certo que o cardápio apresentado nesse horário não foi o mais convidativo. Argentina x Arábia Saudita foi a exceção. Não deixa de ser estranha essa opção. Afinal, o preço pago pelos diretos de transmissão não foi barato. E tem rádio que está investindo mais, colocando seus profissionais no estádio. Sabe-se que o período matinal é o considerado horário nobre do rádio, que tem maior audiência e correspondente procura de patrocinadores. Agora, se existe um evento especial não seria o caso de negociar com aqueles que já anunciam na programação normal? Uma semana a mais de veiculação após o fim do contrato de veículação não faz mais a ninguém.

*

O Radioamantes ouviu dois jogos em uma mesma rádio: a estreia do Brasil e o parto da montanha que foi a vitória da Argentina sobre o México. Chamou a atenção o excesso de abraços, muitos deles mandados durante a bola rolando. Após um aviso do sempre solerte Edu Cesar, percebeu-se que as saudações foram endereçadas a diretores, presidentes e “cabeças coroadas” dos patrocinadores. É uma forma de driblar a proibição dos foguetes publicitários durante os jogos. Até aí, tudo bem. O grande problema começa quando os abraços são enviados a políticos, muitos deles deputados estaduais.

*

Enquanto escrevo este texto, ouço pela Rádio Oriental, de Montevidéu, a partida entre Portugal x Uruguai. Narração de Javier Máximo Goñi. Os patrocinadores de emissora são divulgados durante a partida sem qualquer tipo de problema. Um locutor destacado especialmente para isso lê os textos do estúdio.

*

Como já deve ser de conhecimento geral, a Globo não detém mais a exclusividade total da Copa do Mundo. Ela vai apenas transmitir a próxima edição, em 2026, sem a possiblidade de revender direitos a outros veículos. Ou seja, a negociação deverá ser feita diretamente com a Fifa. Vamos aguardar para saber se a entidade máxima do futebol mundial deverá mais flexível ou não, especialmente com o meio rádio.

*

Aguarem pelas próximas anotações. Mais uma vez, o Radioamantes agradece a Edu Cesar. Ouça abaixo a narração de Aroldo Costa para o gol de Casimiro, que livrou o Brasil do sufoco.

Galvão Bueno cita Osmar Santos e José Silvério em golaço de Richarlison

Por Rodney Brocanelli

Merecidamente, o golaço de Richarlison, o segundo do Brasil na vitória contra a Sérvia, é o assunto desta Copa do Mundo. Um lance de rara beleza. E ele ocasionou um grande momento de Galvão Bueno na transmissão da TV Globo, inconscientemente ou não. O narrador acabou usando bordões de dois gênios do rádio esportivo brasileiro. Primeiro, ele diz ” e que gol”, de Osmar Santos, e logo em seguida “e que golaço”, de José Silvério. Será que foi homenagem? Ainda não sabemos, mas está valendo. Veja e ouça abaixo (enquanto os donos do espetáculo deixarem).

Anotações sobre a transmissão da Copa do Mundo pelo rádio brasileiro

Por Rodney Brocanelli

Como o Radioamantes já registrou, as rádio Bandeirantes e Band News FM estão fazendo coberturas separadas desta Copa do Mundo sediada no Catar. Hoje, no jogo da seleção brasileira, pode-se dizer que houve uma subdivisão dessa divisão. Explicando. A Band FM entrou em rede com a Bandeirantes. Enquanto isso, a Nativa FM veiculou o sinal da Band News FM. No entanto, ao menos uma rádio do Grupo Bandeirantes ficou de fora. A Play FM manteve sua programaçao normal durante a bola rolando.

*

Luis Penido narrou Brasil x Catar pela Super Rádio Tupi. A expectativa é que ele e José Carlos Araújo se revezem nos jogos dos comandados de Tite. Fica no ar a grande dúvida: por que não fazer com que os dois narrem esses jogos, como Waldir Amaral e Jorge Curi na época áurea da Rádio Globo?

*

José Manoel de Barros narrou a estreia do Brasil pela Rádio Jovem Pan. Nilson Cesar até chegou a fazer a abertura da transmissão, mas ficou sem voz depois que a bola rolou. Espera-se que não seja um problema grave e que nos próximos dias ele retorne à cobertura.

*

Até aqui, a Rádio Gaúcha é a única emissora que transmitiu todos os jogos da Copa do Mundo. O grande problema é que muitos jogos começam às 07h em horário brasileiro e são poucas as emissoras que não abrem mão de seu “horário nobre”, com os tradicionais noticiosos, casos da Jovem Pan e da Bandeirantes. Para outras rádios, deve ser difícil convencer o comunicador do horário a abrir mão para os jogos do futebol (e olha que ele até participou do revezamento da tocha olímpica em 2016, lembram?) Agora, convenhamos, é melhor ouvir Marrocos e Croácia no rádio do que as análises do Claudio Humberto.

*

A Transamérica teve problemas com o som direto do Catar no jogo do Brasil. Bruno Cantarelli, estava de sobreaviso e narrou até que a transmissão fosse estabilizada. Aliás, a emissora está usando nomes de sua rede para a transmissão dos jogos da Copa. Edilson de Souza e o já citado Cantarelli estão narrando jogos ao lado de Éder Luiz, Oswado Maciel e Guilherme Lage.

*

Não sei se foi intencional, mas Galvão Bueno mandou um “e que golaço” logo após o segundo gol brasileiro, marcado por Richarlison. Era uma frase usada por José Silvério, a grande ausência desta Copa. Segundos antes, Galvão disse “e que gol”, bordão de Osmar Santos. Homenagem? (veja abaixo enquanto os donos do espetáculo deixarem).

*

Voltaremos com mais anotações sobre as transmissões dos jogos da Copa. Este post não seria possível sem a colaboração preciosa de Edu Cesar, o homem do Papo de Bola. Ouça abaixo a narração de Pedro Ernesto Denardin para os gols do Brasil na vitória sober a Sérvia pelo placar de 2 a 0.

Paulo Lopes diz que não volta mais ao rádio

Por Rodney Brocanelli

Em vídeo divulgado nesta segunda (21), Paulo Lopes informou que não volta mais ao rádio. Ele estava afastado do veículo desde julho deste ano, quando deixou a Rádio Capital para se lançar candidato a deputado estadual pelo PL. Com pouco mais de 6 mil votos (cerca de 0,03%), ele não conseguiu ser eleito. Havia uma grande expectativa por seu retorno ao microfone, uma vez que o radialista anunciou que voltaria logo após o período eleitoral, qualquer que fosse o resultado (saiba mais aqui).

“O rádio para mim, não é mais aquilo que eu imaginei, que eu trabalhei. Não é mais o mesmo rádio”, disse ele no vídeo. Um dos motivos para esse desencanto é o excesso de anúncios publicitários. “Muito comercial, muito venda disso, venda daquilo, você fala duas coisas e vende três. É o tempo todo”, afirmou.

Além disso, ele se queixou da falta de liberdade, mas sem falar de casos específicos: “Você não pode falar tudo o que você gosta. Eu trabalhei com muita liberdade nos lugares por onde eu passei”.

Por último, ele reclamou dos salários. “O rádio pagava melhor e hoje não paga mais”, falou. Uma lembrança: Lopes migrou do Rio para São Paulo em 1987 em busca de uma melhor remuneração.

Ao apresentar um quadro totalmente diferente da época em que viveu o auge no veículo, Lopes preferiu não apontar responsabilidades: “A culpa não é de ninguém. É da essência do rádio. O rádio mudou e eu não quero fazer parte dessa história do rádio, principalmente essa história que se apresenta hoje”.

Em 55 anos de carreira, Paulo Lopes começou sua carreira em Juiz de Fora (MG). Logo se transferiu para o Rio de Janeiro, onde trabalhou na Super Rádio Tupi e na Rádio Bandeirantes. Em São Paulo, comandou horários nas rádios Globo e Capital. Ele também teve uma breve passagem pela Massa FM, de Londrina.

Veja abaixo a manifestação de Paulo Lopes.

https://www.facebook.com/reel/3246390285583992/?s=single_unit

Bandeirantes e Band News FM chegam separadas à Copa do Mundo 2022

Por Rodney Brocanelli

A Copa do Mundo 2022 marcou o encerramento de uma tradição que vinha se mantendo nas quatro últimas edições. As rádios. Bandeirantes e Band News estão transmitindo os jogos da competição sediada no Catar com equipes independentes. A partida inicial que colocou frente a frente os donos da casa contra o Equador teve a narração de Ulisses Costa na Bandeirantes. Marcelo do Ó deu o recado pela Band News FM.

A parceria se iniciou em 2006, na Copa da Alemanha e houve a sequência na edição de 2010, sediada na África do Sul. Até então a Band News FM não tinha equipe esportiva própria, o que viria a acontecer apenas a partir de 2011. Isso fez com que naquelas ocasiões, ela reproduzisse o áudio da Bandeirantes.

Em 2014, para o mundial disputado no Brasil, foi criado o nome Rede Verde e Amarela, que congregou também a hoje extinta Rádio Bradesco Esportes FM. Bandeirantes e Band News FM voltariam a se unir na Copa de 2018, disputada na Rússia.

Em todas essas coberturas, o narrador principal foi José Silvério, que fez os jogos do Brasil, outras partidas importantes e as finais.

A partida inaugural da Copa de 2022, disputada neste domingo (20), terminou com vitória do Equador sobre o Catar pelo placar de 2 a 0. Ouça abaixo os gols com a narração de Ulisses Costa.

Grupo RBS terá cobertura multiplataforma da Copa do Mundo do Catar

Grupo RBS prepara uma cobertura da Copa do Mundo do Catar de gaúcho para gaúcho.  Para mostrar tudo o que rola dentro e fora do campo, teremos 16 profissionais atuando direto do país sede do Mundial e cerca de 200 colaboradores mobilizados nas redações da empresa. Os conteúdos multiplataforma serão distribuídos em todos os veículos da RBS, com destaque para a Gaúcha, única emissora do Sul do Brasil licenciada para transmitir a competição.      

Os 12 comunicadores presentes no Catar vão se revezar nas transmissões ao vivo de todos os jogos do Brasil e das demais partidas – participando ainda de programas e produzindo conteúdo de diferentes locais. Além de reportagens, análises e bastidores da competição, os profissionais irão trazer suas vivências, histórias de personagens e toda a emoção que este evento proporciona.       

– Nosso foco é gerar um cruzamento de comunicadores entre os produtos. Tradicionalmente se vê pessoas ligadas a determinadas plataformas ou marcas, mas, neste caso, estamos trabalhando todos como comunicadores do Grupo RBS, independentemente de onde o conteúdo será distribuído – destaca Tiago Cirqueira, gerente-executivo de Esportes do Grupo RBS.     

A Gaúcha contará com uma programação diferenciada durante o Mundial. O fio condutor será o programa Gaúcha na Copa, que entrará ao vivo em diversos momentos ao longo da programação, com Alice Bastos Neves e Luciano Périco. O Sala de Redação, com a maioria dos comunicadores direto do Catar, terá edições extras depois das partidas do Brasil.   

Outra novidade é o programa Expresso Catar, que vai ao ar em todos os domingos de Copa, das 20h às 22h, na Gaúcha. Com apresentação de Filipe Gamba e Diori Vasconcelos e participação de Cris Silva, Alex Bagé e Vini Moura, a atração será realizada no Gaúcha Sports Bar, relembrando tudo que aconteceu na competição durante a semana, com percepções de campo e extra campo. Já na Atlântida, no Vai te Qatar, Lelê Bortholacci e Raphael Gomes vão trazer de uma forma bem humorada os principais destaques do Mundial, todos os dias das 19h às 20h.  

A cobertura da Copa também será destaque na RBS TV, nas páginas de Zero HoraDiário Gaúcho e Pioneiro, na rádio 92, em GZH, no GE RS e nas redes sociais dos veículos. O projeto conta com os parceiros comerciais Grupo Felice, KTO, Cresol, Tramontina, Lojas Colombo, Bebibas Fruki e Cartórios de Protesto.    

Crédito da foto: Leonardo Ferreira

Thiago Suman é novo reforço do canal Bate Fundo Esportivo para a Copa do Mundo

O Jornalista e Narrador Esportivo Thiago Suman, com passagens pela Rádio Grenal, Rádio Jovem Pan, CBF TV e canais Vozes do Gigante e Canal Rádio Inferno, é o novo contratado do Bate Fundo Esportivo.

O Canal é o maior veículo independente do país, registrando mais de 350 mil seguidores no YouTube, além de 250 mil seguidores no Facebook. O Bate Fundo aposta em coberturas do campeonato brasileiro das séries A e B, Libertadores da América, Copa Sul-Americana e os campeonatos regionais do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, além de futsal.

Com uma trajetória sólida no futebol, o canal chega para sua primeira cobertura de Copa do Mundo e esse é um grande desafio.

“Estou muito realizado com essa oportunidade, pois, apesar de já ter uma trajetória de mais de 12 anos, essa será apenas minha segunda cobertura de Copa do Mundo, chego pra somar em uma equipe nacional que fará uma cobertura dinâmica e moderna, com análises, debates, trazendo bastidores e curiosidades e com repórter direto do Qatar”, comenta Suman.

O Diretor do Bate Fundo Esportivo, Charles Robert, comemora a chegada de Suman ao projeto: “Temos uma história sólida, sempre evoluindo e a chegada do Thiago como narrador agrega em experiência tanto no microfone quanto na produção de jornadas e produtos. Esse momento faz o Bate Fundo crescer ainda mais e reunir alguns dos melhores talentos da crônica esportiva em seu escopo”.

O narrador reforça que além da Copa do Mundo e das Narrações de futebol, também visa auxiliar na expansão das transmissões de outras modalidades esportivas e comenta sobre a chegada ao canal: “Fui recebido com muito entusiasmo pelo Charles e pelo Andrei Sartori, que é meu conterrâneo, também narrador e coordenador de equipe do canal. Seguramente é um momento dos mais empolgantes da minha carreira. Vamos fazer história e minha ideia é colaborar com as jornadas e fazer o canal atender as demandas que existem de outros esportes pouco atendidos pela mídia, como Vôlei, Basquete, E-games, Futebol Americano e outros caminhos que certamente farão sucesso na grade do Bate Fundo”.

Acesse: https://www.youtube.com/@BateFundoEsportivo

Relembre as onze finais de Copa do Mundo narradas por José Silvério

Por Rodney Brocanelli

Faltando uma semana para o começo da Copa de 2022, como não há perspectivas de mudanças aos 45 minutos do segundo tempo, podemos dizer que infelizmente José Silvério não vai participar desta cobertura como narrador. Seria a décima-segunda, em uma tradição iniciada na Copa da Argentina, em 1978. Em todas essas ocasiões, Silvério foi protagonista, narrando pelas rádios Jovem Pan e Bandeirantes. Mais que um lamento, vamos relembrar nesta postagem a bela história escrita por um dos principais narradores brasileiros na maior competição do futebol de seleções, destacando a sua participação nas finais.

1978/Argentina – Foi a primeira Copa de Silvério pela Rádio Jovem Pan, na Argentina. Em outubro de 1977, ele substituiu Osmar Santos, que havia se transferido pela Rádio Globo. Seu prestígio na emissora era tamanho, que ele foi escalado pelo Seu Tuta para fazer a decisão do terceiro lugar, envolvendo Brasil x Itália e a grande final, entre os donos da casa e a Holanda. O que ninguém imaginava é que uma úlcera fosse atrapalhar a transmissão. “Eu narrei a final sangrando, literalmente”, disse. Infelizmente, a Pan não tem o registro da narração de Silvério para a final de 78, cujo placar foi 3 a 1 para a Argentina. Deixamos aqui um depoimento que ele deu ao programa Sofá Bandeirantes.

1982/Espanha – Era uma final em que o Brasil deveria estar. Pelo menos essa era a expectativa de quase 120 milhões e outros milhares de admiradores do futebol. A seleção comandada por Telê Santana, apesar de alguns defeitos, encantou a todos. Só não estava no script a eliminação na partida contra Itália. Bastava apenas um empate, mas o talento de Paolo Rossi e a disciplina tática dos outros jogadores da Azzurra acabaram com o sonho brasileiro. Depois de eliminar a Polôna na semifinal, os italianos se classificaram para a grande final com a Alemanha. Silvério esteve lá pela Jovem Pan e sem incidentes. Placar final: 3 a 1 Itália. Ouça abaixo.

1986/México – Telê Santana novamente comandou a seleção brasileira, com remanescentes da Copa anterior e uma nova geração que surgiu neste período de quatro anos. O começo da campanha não empolgou muito, mas o Brasil avançou para a fase de mata-mata, que voltou a ser implantada após uma pausa em 1974. Nas quartas-de-final, a seleção brasileira foi eliminada nos pênaltis pela seleção francesa. Enquanto isso, um personagem emergia: Maradona. Com gol de mão, gol de placa e uma técnica acima da média, ele colocou a Argentina na final. Por outro lado, a Alemanha também chegou para a disputa do título, repetindo 1982. Placar final: Argentina 3 a 2. Ouça abaixo.

1990/Itália – A Copa marcada pelo início da Era Dunga. Sob o comando de Sebastião Lazzaroni, a seleção brasileira apresentou um futebol que não despertou suspiros. Para piorar, houve problemas com dinheiro de patrocinador, o que fez com que os jogadores convocados não contassem com muita simpatia, sendo considerados mercenários. Mais uma vez quem brilhou foi Maradona. Na partida eliminatória da Argentina contra o Brasil, mesmo cercado por três jogadores, o camisa 10 argentino conseguiu dar um passe para Caniggia fazer o gol da classificação. Os argentinos ainda desclassificaram os donos da casa e chegaram à final. Do outro lado, adivinhem, a Alemanha. Depois de dois revezes, havia chegado a hora dos alemães ficarem com o título. Placar final: 1 a 0. Ouça abaixo.

1994/EUA – Temos aqui a sequência da Era Dunga, com remanescentes da copa anterior. Apesar da desconfiança que surgiu no período das eliminatórias, a seleção brasileira foi crescendo na hora certa (e vale o clichê aqui). Carlos Alberto Parreira talvez tenha feito o seu melhor trabalho como técnico. Romário foi um dos destaques. Outro foi justamente Dunga, execrado após o fracasso na Itália. E por falar no país da Bota (sdds. Silvio Lancellotti), a seleção brasileira enfrentou a seleção italiana na grande final. Uma repetição da decisão de 1970. Silvério estava lá. Pena que o jogo em si não tenha sido a altura de tanta tradição e de tanta coisa envolvida. Mesmo assim, não deixou de ser um marco histórico para o narrador. Ouça abaixo a decisão por tiros livres da marca do pênalti,

1998/França – O período de antecedeu esta Copa foi marcado pela ascensão de Ronaldo. Jogando no futebol europeu, ele se transformou em fenômeno com seus gols impressionantes. Isso fez com que ele se transformasse em uma referência para a seleção brasileira. O time treinado por Zagallo tinha atletas das duas campanhas anteriores e jogadores que já mereciam estar no elenco de 1994. A campanha em si teve altos e baixos, com uma derrota para a Noruega na fase de grupos. Parecia que faltava alguma coisa na seleção brasileira. Mas isso não impediu a chegada em sua segunda final seguida. O adversário era a dona da casa, que tinha uma seleção bem montada. Além da derrota do Brasil para a França, ficou marcado todo o bastidor envolvendo Ronaldo, que passara mal horas antes da final. Até hoje ninguém tem uma explicação definitiva para o que aconteceu. Zidane, que não teve nada a ver com isso, fez dois gols de cabeça. Placar final: 3 a 0. Ouça abaixo.

2002 Coreia-Japão – Mais uma vez a seleção brasileira vive quatro anos de trancos e barrancos. Wanderley Luxemburgo, que começou o ciclo, não permaneceu e foi sucedido por mais dois profissionais (Candinho por um jogo só e Émerson Leão) até a chegada de Luiz Felipe Scolari. Enquanto isso, Ronaldo enfrentava seus problemas. Uma lesão patelar deixou em dúvida até mesmo a sua continuidade no futebol. No entanto, ele se recuperou a tempo e as coisas deram certo na hora certa. De contestado, ele passou à heroi. O Brasil cresceu na competição (olha aí o clichê de novo) e chegou à final sem ser derrotado ou empatar alguma partida. O oponente seria a Alemanha. José Silvério acabara de passar por uma mudança radical em sua carreira. Aproximadamente dois anos antes, ele trocou a Jovem Pan pela concorrente Rádio Bandeirantes. Mal sabia ele que havia feito uma boa escolha. A Pan decidiu não transmitir aquele mundial e fazer uma cobertura alternativa. Silvério esteve presente em todos os jogos do Brasil e pode enfileirar uma série de narrações inesquecíveis diretmanete dos estádios. Placar final: 2 a 0. Ouça abaixo.

2006 – Alemanha – Essa aqui foi a Copa do oba oba para a seleção brasileira. Muitos craques, mas pouquíssimo foco, em especial no período de treinamento. Havia uma nova geração pedindo passagem, mas o que fazer com os craques que vinham dando tão certo nos anos anteriores? Carlos Alberto Parreira não conseguiu solucionar essa questão e o Brasil caiu ainda nas oitavas para a França em uma noite inspiradíssima de Zidane. Silvério fez a sua segunda Copa pela Bandeirantes e ele começava a viver um drama pessoal, com a doença de sua primeira esposa, Sebastiana de Andrade. No ano anterior, o Grupo Bandeirantes colocava no ar a Band News FM, emissora com 24 horas de notícias. A caçula entrou em rede com a Bandeirantes e com isso, as irradiações de Silvério foram mais longe, com outras emissoras que compunham a rede. Itália e França disputaram a grande final, que passou à história não pelo título (mais um) da Azzurra, mas pela cabeçada de Zidane em Materazzi.

2010 – África do Sul – Depois da bagunça, a quase ditadura. A CBF resolveu inovar e alçou ao comando da seleção brasileira o ex-jogador Dunga. A ideia até que era interessante, mas o temperamento do agora treinador não ajudou em nada. Apesar dos títulos na Copa América e da Copa das Confederações, a campanha no Mundial não mostrou qualquer brilho. Para piorar, a indisposição de Dunga com parte da imprensa serviu para que ele angariasse ainda mais antipatia. O Brasil caiu nas quartas com a derrota para a Holanda, que chegaria a final 32 anos após ser batida pela Argentina, em 1978. Do outro lado estava a sensação Espanha. Os espanhóis venceram na prorrogação. Mais uma vez a parceria com a Band News foi repetida. Aquela foi uma Copa fria, não pelos jogos em si, mas pelo fato de seu período de competição coincidir com uma fase de baixíssimas temperaturas naquele país. Isso não afetou Silvério que esteve presente na decisão. Placar final: 1 a 0. Ouça abaixo.

2014/Brasil – Sediar uma Copa do Mundo quase virou um pesadelo para o país do futebol. Um ano antes, às vésperas da Copa das Confederações, protestos começaram a pipocar por diversas partes. A Fifa ficou preocupada por muito pouco o torneio não aconteceu em outro lugar. A seleção brasileira chegou a esta competição sob comando duplo: Luiz Felipe Scolari como treinador e Carlos Alberto Parreira como coordenador. Eles chegaram para substituir Mano Menezes, que fizera um trabalho irregular. À medida em que os jogos aconteciam, a tensão aumentava entre os jogadores brasileiros. Não por fatores externos, mas porque, conforme o jornalista Paulo Vinícius Coelho, ninguém queria cometer erros que pudessem tirar a seleção dos trilhos. Isso ficou mais visível na partida contra o Chile, na qual a classificação só veio na disputa dos tiros livres. Para piorar as coisas, uma grave contusão afastou Neymar na parida das oitavas contra a Colômbia. Não foi uma Copa fácil para Silvério. Durante a transmissão da partida contra Colômbia, ele ficou sem voz e teve de dar lugar a Ulisses Costa. E depois, já recuperado, ele irradiou a derrota para a Alemanha na semifinal pelo placar de 7 a 1, talvez o maior desastre brasileiro na história das Copas. Na outra perna, a Argentina, de Messi, foi tirando de cena os oponentes para chegar à grande final no Maracanã. Quem brilhou foi um jovem atleta, Mario Götze, que fez o gol solitário daquela partida. Placar final: 1 a 0. Ouça abaixo.

2018/Rússia – Mais uma mudança no comando técnico. Dunga era trazido de volta pela CBF. Se em 2010 era uma inovação, o ato foi conservador, desta vez. Mas infelizmente, a jogada não deu certo. O futebol apresentado era paupérrimo, especialmente nas eliminatórias, apesar da continuidade do protagonismo de Neymar. Houve uma mudança de rumo e Tite veio para ajustar as coisas. Se o Brasil deu esperança aos torcedores durante o período pré-Copa, na competição em si novamente o futebol, mais uma vez, não empolgou. Alguns jogadores renderem aquém do esperado. Neymar ficou marcado por suas simulações espalhafatosas, que foram ridicularizadas nas redes sociais. Enquanto Brasil ficava pelo caminho, a França, de Mbappé, e a Croácia, de Modric, chegavam à decisão. Era a décima-primeira Copa de José Silvério, um recorde pessoal. Diferente das outras, a partida final foi empolgante, com seis gols. Os frances conquistaram seu segundo título. Pouco depois do apito final, emocionado, ele disse “cumpri”. Antes de passar o comando da jornada para Milton Neves, ele complementou: “são onze Copas do Mundo transmitidas na final do estádio. Um marco. Obrigado, você ajudou muito. Tchau”. Placar final: 4 a 2. Ouça abaixo.

Dois anos depois, durante a pandemia, a Rádio Bandeirantes resolveu antecipar o fim de contrato com o locutor. Ele até ensaiou um retorno ao rádio, pela Capital, mas o projeto não durou muito, infelizmente. Em entrevistas recentes, ele tem deixado claro que se aposentou. Uma pena que sem fazer ao menos mais uma Copa. Condições para isso existiam, como ele demonstrou. Perde o rádio.

Rádio Bandeirantes e BandNews FM dão o pontapé inicial na cobertura da Copa do mundo a partir desta segunda-feira

A Rádio Bandeirantes e a BandNews FM darão o pontapé inicial na cobertura histórica da Copa do Mundo diretamente do Catar a partir desta segunda-feira (14).

O jornalista Ricardo Capriotti é o primeiro enviado especial da RB a tocar o solo do país árabe e co-apresenta o Jornal Gente diretamente da capital catariana às 8h. Já o repórter Alexandre Praetzel será o responsável pela cobertura da Seleção Brasileira e estará concentrado com os comandados do técnico Tite desde a preparação em Turim, na Itália, na mesma data.

Na quarta-feira (16), será a vez do time de repórteres e da equipe especializada, que vão levar a emoção do mundial para os ouvintes, aterrissar em Doha. Por lá, ainda estarão o narrador Ulisses Costa, o apresentador Elia Junior e os repórteres Fernando FernandesJoão Paulo CappellanesLucas Herrero e Isabelly Morais.

Cappellanes acompanhará os adversários do Brasil na primeira fase: Sérvia, Suíça e Camarões; Herrero vai cobrir as seis campeãs mundiais: Alemanha, França, Argentina, Espanha, Inglaterra e Uruguai, enquanto Isabelly estará com as outras 22 seleções. Gustavo Soler e Paulo do Valle vão reportar os demais jogos.

A Rádio Bandeirantes esteve presente em todas as Copas do Mundo desde 1950. Em 2022, não será diferente. Serão 44 jogos transmitidos em rede com todo o time de estrelas da emissora: José Luiz DatenaMilton NevesCláudio ZaidanCraque NetoLívia NepomucenoRonaldo GiovanelliMarcos AssunçãoRafael OliveiraEduardo CastroRogerio Assis e Pedro Martelli.

Na BandNews FM, já na manhã de segunda-feira, Luiz Megale comanda o Jornal BandNews e o BandNews São Paulo direto de Doha, a partir das 7h. Fábio França traz todas as informações do país sede da Copa e apresenta o BandNews no Meio do Dia e o Entre Nós também da capital do Catar.

Também em Doha, o narrador Marcelo do Ó, o comentarista Bruno Camarão e os apresentadores Glenda Kozlowski e André Coutinho trarão todos os detalhes do maior torneio de futebol do mundo. Reportagens especiais, curiosidades, destaques culturais e esportivos estarão reunidos em um só lugar. Enquanto isso, a repórter Alinne Fanelli estará em Turim, na Itália, acompanhando os passos da Seleção Brasileira.

O timaço da BandNews FM ainda vai contar com Denilson, Marília RuizLeandro Quesada, Silva Junior, Napoleão de AlmeidaJuliana YamaokaMauricio Ferreira, Jordana Araújo e Yuri Queiroga. A partir do dia 20 tem bola rolando. Serão 42 jogos transmitidos ao vivo, em uma cobertura completa. Brasil e Catar vão ficar conectados 24 horas por dia.

As duas emissoras possuem os direitos de exibição da Copa do Mundo. Os jogos do Brasil também irão ao ar pelas rádios musicais do Grupo Bandeirantes de Comunicação: Band FM, Nativa FM e Play FM.

Rádio Nacional leva ao ar programação especial no mês da Consciência Negra

Os ouvintes da Rádio Nacional podem conferir, em novembro, uma programação exclusiva para celebrar o mês da Consciência Negra. Seleções musicais, entrevistas e tributos a artistas negros marcam as atrações elaboradas pela emissora pública para destacar a efeméride.

Músicos negros que comemoraram ou ainda vão comemorar seus 80 anos têm homenagens garantidas com especiais de uma hora de duração nos domingos de novembro, ao meio-dia. No dia 13, a Nacional leva ao ar o Especial Paulinho da Viola, que completa 80 anos em 12 de novembro. Curiosidades da trajetória do artista não vão faltar, como por exemplo o fato do seu pai ter sido violonista e integrante da primeira formação do grupo Época de Ouro, ou sua convivência, desde pequeno, com grandes nomes do choro, como Pixinguinha e Jacob do Bandolim. “Minhas Madrugadas”, “14 anos” e “Choro Inesquecível” compõem a seleção musical.

O Especial Gilberto Gil ganha janela na programação da Rádio no domingo seguinte, 20 de novembro, data que marca o Dia da Consciência Negra. Fatos relevantes na história do cantor e compositor, que fez 80 anos em 26 de junho, são destaque da produção radiofônica: prêmios Grammy Awards, Grammy Latino, sua relação com a Bahia e com o Rio de Janeiro, seus mestres como Dorival Caymmi e parceiros de vida como Caetano Veloso. Clássicos como “Aquele Abraço”, “Parabolicamará” e “Domingo no Parque” marcam a trajetória do artista.

No dia 27 é a vez do Especial Tim Maia embalar as ondas da Nacional, no ritmo da bossa nova ao soul americano. Se estivesse vivo, Tim Maia teria celebrado seus 80 anos em 28 de setembro. Com uma vida conturbada por migrações, viagens, casamentos, separações, drogas, prisões, e um mergulho profundo no misticismo, o icônico artista nasceu em uma família de 18 filhos. Sucessos como “Gostava tanto de você”, “Imunização Racional (Que Beleza)” e “Vale Tudo” representam bem os diversos períodos da obra do “síndico” e estão garantidos durante a atração inédita.

Ainda para celebrar a efeméride, a Rádio Nacional leva ao ar três edições do programa Memória Musical Especial com artistas negros, às 8h. No próximo domingo, o destaque da produção é Zé Kéti; no dia 20, Nilze Carvalho; no dia 27, Ulisses X

E no dia 18 de novembro, sexta-feira, às 13h30, a emissora exibe meia hora de programação especial com canções de artistas negros. Nomes como Negra Li, Claudio Zoli, Chico César, Funk Como Le Gusta, Elza Soares, Tim Maia, Gilberto Gil, Milton Nascimento, Paulinho da Viola, Alcione, Martinho da Vila e Mart’nália estão na seleção musical.

O Dia da Consciência Negra, celebrado no Brasil em 20 de novembro, é de reflexão sobre a importância da cultura e da história do negro no país. Nesta data, no ano de 1695, morreu Zumbi dos Palmares, um símbolo da resistência à escravidão.

Serviço
Programação especial mês da Consciência Negra na Rádio Nacional

Memória Musical Especial Zé Kéti – domingo, dia 13/11, às 8h, na Rádio Nacional FM
Especial Paulinho da Viola – domingo, dia 13/11, às 12h, na Rádio Nacional FM, AM, Rio, OC e AS
Programação Musical Especial – sexta-feira, dia 18/11, às 13h30, na Rádio Nacional FM
Memória Musical Especial Nilze Carvalho – domingo, dia 20/11, às 8h, na Rádio Nacional FM
Especial Gilberto Gil – domingo, dia 20/11, às 12h, na Rádio Nacional FM, AM, Rio, OC e AS
Memória Musical Especial Ulisses X – domingo, dia 27/11, às 8h, na Rádio Nacional FM
Especial Tim Maia – domingo, dia 27/11, às 12h, na Rádio Nacional FM, AM, Rio, OC e AS


Rádio Nacional na internet e nas redes sociais
Site: https://radios.ebc.com.br 
Instagram: https://www.instagram.com/radionacionalbr
Spotify: https://open.spotify.com/user/vpj3k8ogjwf1nkv4nap3tlruv
YouTube: http://youtube.com/radionacionalbr
Facebook: https://www.facebook.com/radionacionalbr
Twitter: https://twitter.com/radionacionalbr

WhatsApp Nacional
Rádio Nacional FM: (61) 99989-1201
Rádio Nacional AM: (61) 99674-1536
Rádio Nacional da Amazônia: (61) 99674-1568

Saiba como sintonizar a Rádio Nacional
Brasília: FM 96,1 MHz e AM 980 Khz
Rio de Janeiro: FM 87,1 MHz e AM 1130 kHz
São Paulo: FM 87,1 MHz
Recife: FM 87,1 MHz
São Luís: FM 93,7 MHz
Amazonas: 11.780KHz e 6.180KHz OC
Alto Solimões: FM 96,1 MHz

Celular – App Rádios EBC para Android e iOS

Rádio Nacional estreia transmissão de jogos de futebol pelo YouTube

A partir deste domingo (6), a Rádio Nacional estreia a transmissão ao vivo de jogos de futebol pelo canal da emissora pública no YouTube. As emoções da partida Ituano (SP) x Vasco da Gama (RJ), pela última rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, vão ao ar às 18h30.

A jornada esportiva da Nacional no YouTube começa às 18h15. Realizado no estádio Novelli Junior, em Itu (SP), o confronto conta com a locução de Felipe Rangel, comentários de Waldir Luiz, reportagem de Mauricio Costa e plantão de Wagner Gomes. Com o fim do jogo, a jornada se encerra às 20h45.

Serviço

Transmissões de jogos do Campeonato Brasileiro 

Ituano x Vasco – domingo, dia 06/11, às 18h30, no YouTube da Rádio Nacional

Acesse: http://youtube.com/radionacionalbr

Rádio Nacional FM

Leandro Quesada retorna ao Grupo Bandeirantes e estreia no BandNews na Área

Nesta segunda-feira (07), às 22h, Leandro Quesada estreia no BandNews na Área às 22h. Jornalista especializado em esportes, o profissional já ultrapassou 30 anos de carreira em rádio, televisão e imprensa escrita. Na Rádio Bandeirantes, atuou por 21 anos como repórter, apresentador e comentarista. Também foi comentarista nos programas Jogo Aberto e Os Donos da Bola, na Band. Por seis anos, esteve no FoxSports Brasil e comandou o “Blog do Quesada” durante quatro anos no UOL Esportes. No Catar, Quesada cobrirá a 8ª Copa – a sétima in loco. Esteve em coberturas de Olimpíadas, Copa América, Copa das Confederações, Eliminatórias, além de dezenas de edições do Brasileirão, Copa do Brasil, Libertadores, Liga dos Campeões, Mundial de Clubes e campeonatos estaduais.

BandNews na Área traz os principais assuntos esportivos do dia com o dinamismo da reportagem e a análise dos comentaristas. A atração é apresentada por Alinne FanelliMauricio FerreiraYuri QueirogaAlessandro di Lorenzo e Bruno Capozzi,com comentários de Leandro Quesada, Bruno Camarão Marcelo do Ó, e vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 22h às 23h, com exceção dos dias em que há transmissão de futebol.  

Manifestação favorável a um candidato causa constrangimento na Radio Grenal

Por Rodney Brocanelli

Um dia antes do primeiro turno das eleições gerais brasileiras de 2022, a Rádio Grenal viveu uma situação muito embaraçosa. No dia 1º jogariam Internacional e Santos em partida válida pelo campeonato brasileiro de futebol. Durante o programa pré-jogo, o repórter Carlos Lacerda entra na jornada para trazer a palavra do torcedor colorado. Entretanto, um deles não se limita apenas a falar de futebol. “Hoje vai ser a redenção do Edenilson. Ele vai entrar e vai meter o gol. E amanhã é Lula 13”, disse, citando um dos então candidatos à presidência da República.

Lacerda ficou desconcertado. Por sua vez, o narrador Haroldo de Souza perguntou o que havia acontecido. Ao saber da resposta do repórter, quis saber mais sobre a identidade do torcedor e o local que ele estava. O plantão Rogério Böhlke até tentou amenizar o clima de constrangimento trazendo para a jornada informações sobre a partida São Paulo x Del Valle, final da Copa Sul-americana. Haroldo retomou a palavra e não aliviou: “eu não sabia que tinha tanto mau caráter assim em torcida. De qualquer maneira é só esse cara o isolado. E chega de torcida hoje. Agora e nem depois do jogo até terminar essas benditas eleições”.

O receio (não a reação) de Haroldo era até justificável. Qualquer manifestação favorável a algum candidato fora das regras pode gerar uma punição à emissora. Ouça abaixo.